terça-feira, 21 de abril de 2009

200 (inove) as novas formas de consumo

Só no mês de abril e maio eu me deparei com uma cinco a seis revistas trazendo na capa formas de conhecer o novo consumidor. Mas que consumidor é esse? Essa crise tão temida e comentada é oportunidade ou ameaça?

Esses são temas que mais encontramos nos conteúdos de web e impresso, a crise ganhou publicidade de graça e está mais em destaque o medo do que novos posicionamentos contra ela.
Que de fato o consumidor hoje compra menos isso com certeza, mas ele não deixou de comprar, ele está em toda parte, talvez, não seria à hora de mudar a forma de chegar até ele? Acredito que a mudança do consumidor não está nas mudanças dos hábitos ou necessidades, pelo contrário elas estão cada vez mais afinadas, porém o consumidor não está querendo perder dinheiro, ela está mais detalhista e mais reclamão, e antenado aos seus direitos.

Esse não é o momento de falar muito publicitariamente, mas atingi-lo, focar em suas necessidades e retorno, o novo consumidor pensa no retorno, se antes ele comprava roupa a cada 3 meses, hoje ele que quer comprar a cada seis e quer qualidade e exige por isso.
Então não vamos dizer que o cliente sumiu, eles estão aí, apenas estão mais reservados, hoje antes dele comprar um produto ele entra nas redes sociais como orkut, blogs, twitter entre diversas outras e pesquisa novas opiniões, ele não quer mais fila, trânsito, ele quer comprar e quer que entregue, ou quer ser abordado imediatamente ao entrar numa loja, quer que sua compra leve menos de dez minutos.
A propaganda também mudou, deixou de se falar compre, para estamos aqui, somos o melhor, entre outras formas.

Nessa nova forma de consumo que não estiver na rede, está fora do mercado, porque ele está 24hs ligados a internet seja em casa, no trabalho ou em lan houses e esse número cresce todos os dias principalmente no Brasil, ele entra na rede e é bombardeado porque todos os tipos de anúncios são empresas disputando seu espaço e sua visualização, nessa demanda outras formas estão entrando no mercado com o mix do mobile marketing, as empresas precisam estar atentas a isso, onde está o seu cliente. Com essa crise a internet ganha ainda mais impulsos e será necessário que os outros veículos de informação mudem para não perderem visibilidade.

2 comentários:

Lucas disse...

Ótima obordagem Lari. Eu acho que a concorrência, que até então era o grande desafio das empresas junto com a espetacularização da crise, o mercado vem mudando muito se tornou mais exigente.
Conhecer o comportamento do consumidor, segmentar o público e usar mídias alternativas mais eficazes e icentivadoras são ferramentas que devem ser utilizadas a fim de revigorar o consumerismo novamente.
Entendo que fica então no momento, um novo conceito de desafio para os profissionais de publicidade e propaganda e de marketing para as empresas correspondentes, que com essa grande mudança de postura do consumidor Brasileiro, busquem se readaptar e ofertar de forma nova.

Rafael Malhado disse...

Larissa, quero parabenizá-la pelo blog! Sou estudante de Publicidade também e, assim como você, procuro, pesquiso sobre blogs, sites, videos relacionados à comunicação, propaganda em especial.
Quanto ao texto, acho ótimo ter tocado nesse assunto sobre como a publicidade deve agir e quais ferramentas deve usar para sua recomodificação junto ao consumidor.
Consumidor este que, como você escreveu, está mais exigente sobretudo por influência e possibilidade de acesso às novas tecnologias, que permitem a ele essa "filtragem" na sua escolha.
Aliás, se achar válido, vai aqui uma dica: o próximo artigo poderia ser uma continuação sobre esses novos modelos de publicidade e propaganda das mercadorias e seu consumo, focando assuntos como "A TV digital no Brasil e a publicidade" ou "A sociedade dos consumidores", termo esse usado por Zygmunt Bauman, no seu livro VIDA PARA CONSUMO (Ed. Zahar - 2008), para definir os atuais consumidores em "ao mesmo tempo, os promotores das mercadorias e as mercadorias que promovem."
São temas super relacionados a este bom texto produzido por ti.
Parabéns mais uma vez!
Rafael Malhado. (rafaelbmalhado@hotmail.com)

Postar um comentário